atti! comunicação e ideias
atendimento@atticomunicacao.com.br / 11 3729.1455 | 3729.1456

Atti comunicação e idéias

CCBB apresenta a mostra “O Cinema de Nicolas Philibert” em fevereiro

CCBB apresenta a mostra “O Cinema de Nicolas Philibert” em fevereiro

De 11 a 23 de fevereiro o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo apresenta a Mostra “O Cinema de Nicolas Philibert”, em parceria com a Cinemateca da Embaixada de França no Brasil e com o apoio do Institut Français. O evento exibirá 8 longas-metragens, que englobam o início da carreira do cineasta até o seu último filme, rodado em 2012.

A mostra traz para o público a obra de Nicolas Philibert, um dos mais expressivos documentaristas da atualidade, que resgata em seus registros a emoção da descoberta do real como nas origens do cinema. Ainda pouco conhecido no Brasil, o cineasta é um dos grandes nomes do filme documentário francês e mundial. “Homenagear um cineasta ainda em vida, e em atividade, é sempre importante por proporcionar uma visão contemporânea sobre os acontecimentos”, observa o curador da mostra Fábio Savino.

Nicolas Philibert nasceu em Nancy, em 1951. Após terminar a faculdade de Filosofia, ele decide ingressar no meio cinematográfico. Começa sua carreira como assistente de direção, especialmente de René Allio e Alain Tanner. Em 1978 ele co-realisa, com Gérard Mordillat seu primeiro longa-metragem documentário, “A voz de seu mestre”, no qual um grupo de grandes executivos (L’Oreal, IBM, Thomson, Elf, etc) falam sobre o poder, da hierarquia, do lugar dos sindicatos, desenhando aos poucos a imagem de um mondo dominado pela finança.

De 1985 a 1987 ele filma diversos filmes de montanha e de aventuras esportivas para a televisão. Em seguida se dedica a realização de longas metragens documentários que serão todos distribuídos comercialmente: “A cidade Louvre” (1990), “O país dos surdos” (1992), “Um animal, os animais” (1995), “O mínimo das coisas” (1996), entre outros.

Como um dos destaques de produção está o filme "Ser e ter" (2002/ 105min), longa que levou o cineasta a alcançar o reconhecimento do público na França e em festivais internacionais. O documentário retrata uma escola rural na França onde os alunos, entre 4 e 11 anos, são todos educados pelo mesmo professor, Sr. Georges Lopez.
Outros destaques são "De volta à Normandia" (2007) e "A estação de rádio" (2013), o segundo tendo estreado no festival de Berlim de 2013 e ainda inédito em São Paulo. "A estação de rádio" mergulha no coração da Radio France, descobrindo o que habitualmente escapa aos olhares: os mistérios e as cenas de um meio cuja própria matéria que utiliza (o som) é invisível.

Em 1975, Nicolas Philibert foi assistente de direção de René Allio em "Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão", baseado num crime local descrito em livro pelo filósofo Michel Foucault. Filmado na Normandia, a alguns quilômetros de onde aconteceu o triplo assassinato, o traço mais especial do trabalho de Allio era o fato de que todos os personagens do filme foram interpretados por camponeses da região. Trinta anos depois, Philibert retorna à Normandia para reencontrar estes atores de ocasião, personagens da vida real. O resultado é o documentário "De volta à Normadia" (2007).

Os filmes serão exibidos em 35mm com legendas eletrônicas. A mostra terá ingressos a preços populares e 10% dos ingressos serão disponibilizados gratuitamente ao público de baixa renda.

Programação “O cinema de Nicolas Philibert”
Dia 11/02 – Quarta-feira
17h – O país dos surdos | 1992 | 95’ | 35mm | Livre
19h – A estação de Rádio | 2013 | 103’ | Digital | Livre

Dia 12/02 – Quinta-feira
17h – Ser e ter | 2002 | 105’ | 35mm | Livre
19h – Nénette | 2010 | 70’| 35mm | Livre

Dia 13/02 – Sexta-feira
17h – Um animal, os animais | 1994 | 57’ | 35mm | Livre
19h – A cidade Louvre | 1990 | 75’| 35mm | Livre

Dia 14/02 – Sábado
15h - O mínimo das coisas | 1996 | 100’ | Livre
17h - A estação de Rádio | 2013 | 103’ | Digital | Livre
19h - De volta à Normandia | 2007 | 113’ | 35mm | Livre

Dia 15/02 – Domingo
Não haverá exibições

Dia 16/02 – Segunda-feira
15h - A cidade Louvre | 1990 | 75’| 35mm | Livre
17h - Um animal, os animais | 1994 | 57’ | 35mm | Livre

Dia 18/02 – Quarta-feira
17h - A estação de Rádio | 2013 | 103’ | Digital | Livre
19h - O mínimo das coisas | 1996 | 100’ | Livre

Dia 19/02 – Quinta-feira
17h - Nénette | 2010 | 70’| 35mm | Livre
19h - De volta à Normandia | 2007 | 113’ | 35mm | Livre

Dia 20/02 – Sexta-feira
17h - Ser e ter | 2002 | 105’ | 35mm | Livre
19h - O país dos surdos | 1992 | 95’ | 35mm | Livre

Dia 21/02 – Sábado
14h30 - De volta à Normandia | 2007 | 113’ | 35mm | Livre
17h - Um animal, os animais | 1994 | 57’ | 35mm | Livre
19h - Nénette | 2010 | 70’| 35mm | Livre

Dia 22/02 – Domingo
15h - O mínimo das coisas | 1996 | 100’ | Livre
17h - A cidade Louvre | 1990 | 75’| 35mm | Livre
19h - A estação de Rádio | 2013 | 103’ | Digital | Livre

Dia 23/02 – Segunda-feira
17h - O país dos surdos | 1992 | 95’ | 35mm | Livre
19h - Ser e ter | 2002 | 105’ | 35mm | Livre

SINOPSES

A cidade Louvre (La ville Louvre) / França – 1990 - cor – 75min
A que se assemelha um museu quando não há público? Na época da reforma do Grande Louvre, o museu revelou bastidores a uma equipe de cinema: penduram-se os quadros, reorganisam-se as salas, os guardas provam seus novos trajes. Pouco a pouco os personagens se multiplicam, cruzam-se para costurar o fio da narrativa. A vida secreta e engraçada de um dos maiores museus do mundo.

O país dos surdos (Le pays des sourds)/ França – 1992 – cor – 95min
A que se assemelha o mundo para milhões de pessoas que, desde seu nascimento, vivem no silêncio? Com Jean-Claude, Claire, Florent, Abou, Marie-Hélène e alguns outros, Nicolas Philibert nos faz penetrar e descobrir esse país longínquo, reinado pelos sistemas de comunicação específicos, onde tudo passa pelo olhar e pelo toque.

Um animal, os animais (Un animal, des animaux) - França – 1994 – cor – 57min
A galeria de zoologia do Museu Nacional de História Natural esteve fechada ao público desde 1965. Verdadeira arca de Noé, esse museu abrigava exemplos de tudo o que, em nosso planeta, voa, rasteja, nada ou anda. Rodado ao longo de sua renovação, de 1991 a 1994, o filme narra a ressurreição desses estranhos hóspedes e de seu museu. Restaurações de pelagens e plumagens, uma verdadeira renascença.

O mínimo das coisas (La Moindre des choses)/ França – 1996 – cor – 100min Rodeados por comediantes e músicos, os pensionistas de La Borde preparam uma representação da Opereta, de Gombrowicz. Muito delicadamente, N. Philibert filma essa instituição "differente das outras". Nesse lugar, nossa visão sobre a doença muda e o trabalho de cada um se torna tão familiar que aplaudimos com o público as cenas finais da representação.

De volta à Normandia de Nicolas Philibert (Retour en Normandie)/ França – 2007 – cor/p&b – 113min

Em 1975, Nicolas Philibert foi assistente de direção de René Allio em "Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão", baseado num crime local descrito em livro pelo filósofo Michel Foucault. Filmado na Normandia, a alguns quilômetros de onde aconteceu o triplo assassinato, o traço mais especial do trabalho de Allio era o fato de que todos os personagens do filme foram interpretados por camponeses da região. Trinta anos depois, Philibert retorna à Normandia para reencontrar estes atores de ocasião, personagens da vida real.

A estação do Rádio (La maison de la Rádio) França – 2013 – cor – 103min
Um mergulho no coração da Radio France, descobrindo o que habitualmente escapa aos olhares: os mistérios e as cenas de um meio cuja própria matéria que utiliza (o som) é invisível.

Serviço:

“CINEMA DE NICOLAS PHILIBERT”

De 11 a 23 de fevereiro

Dia 15 não haverá programação
Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo
Classificação indicativa: livre
Lugares: (70 lugares)
Preço: R$ 4 e R$ 2 (meia)


atti comunicação
Fonte: www.bb.com.br/cultura
atti comunicação
Volta para lista de notícias
atti comunicação e ideias